Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Isaías 9:6

Conclamação

Todos os textos aqui postados são de minha autoria, salvo aqueles em que estiverem as devidas referências bibliográficas e links.
Devemos ser originais em nossas colocações, mas não imaginários e sim embasados tão somente nas sagradas escrituras e respaldados pela lingüística, ciência, história e legislação humana.




Direitos do Blog

O blog Jesus Cristo Príncipe da Paz tem seus direitos respaldados nos incisos IV, VI e IX do artigo 5º da Constituição Federal, abaixo transcritos:



IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”

VI – “É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos, salvo o dos que contrariem a ordem pública ou os bons costumes.”

IX – “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.



Respalda-se também Lei nº. 9610, de 19/02/1998, que rege o seguinte:

Art. 46: Não constitui ofensa aos direitos autorais:– a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e obra.





Dízimo - É um mandamento para a igreja?

Não, não é. Agora vou explicar por que.

O dízimo foi estabelecido por Deus para sustento da tribo de Levi, que não tinham participação na herança terrena de
Israel(Nm 18:21 ; 24), os levitas eram auxiliares de Arão. Sua responsabilidade era zelar pelo Templo do Senhor.Também era empregado para auxiliar os estrangeiros, órfãos e
viuvas (Dt 26:12 ; Dt 14:28-29). Quando a dispensação da Lei foi encerrada na cruz "Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê." (Rm 10:4) Deu-se início a dispensação da Graça (Favor concedido sem merecimento), logo tudo que era pertinente a Lei foi abolido. Vale salientar que a lei tinha basicamente três conjuntos de leis: Cerimoniais, Civis e Morais (apesar que essa divisão não é oficial é apenas interpretativa, de fato a lei compreende o conjunto todo de normas). Mas para facilitar a compreensão, estudemos considerando a divísão do conjunto.

As leis morais (Os dez mandamentos) continuam valendo, mas de modo transparente (o Espírito Santo nos adverte a fazer o que é certo pelo Senhor), não precisamos ficar toda vez observando o decálogo para vermos se estamos infringindo algum mandamento.E nem devemos, sob pena de sermos culpado de toda a lei. (Tiago 2:10)

Bem, o dízimo fazia parte do cerimonial , visto que era para manter os levitas e por decorrência o Templo.
E a própria história confirma isso (o fim do sacerdócio), haja visto a destruíção do templo, e pelo fato de Israel hoje não possuir mais rei, nem sacerdotes.
Então não devemos dar o dízimo? Eu não disse isso !
A questão é a seguinte:
Os líderes das igrejas costumam "coagir" os membros vaticinando "aqueles que não são dizimistas fieis, não prosperarão" ou "o espírito do devorador vai destruir suas finanças", e outras pérolas como essas.
E claro, para embasar tais "verdades bíblicas" eles respaldam-se na Bíblia, com as seguintes passagens:

"Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. "(Malaquias 3 : 8)

Então se não der o dízmo estou roubando a Deus?
Não, não estou.

Observe lendo atentamente todo o capítulo de Malaquias, Deus está tratando com os sacerdotes, e não conosco.
Pense bem, o Senhor disse "... Nos dízimos e ofertas", me diga, é possível roubar algo que não existe?
Primeiro pense a respeito da oferta, para roubar uma oferta, ela já deve ter sido dada, por
que oferta compreende algo que se dá voluntáriamente, e um valor não estipulado. Logo não posso roubar algo do qual nem sou obrigado, a dar, é um ato expontâneo doar ou não, Semelhantemente quando passa a "Salva" na igreja, oferta quem pode e quem quer.
Então se alguem roubou as ofertas, esses foram aqueles que controlavam as finanças (os tesoureiros).
E quanto ao dízimo? A mesma coisa, o dízimo era coletado, e dali extraviado, se eu não desse o dízimo não seria rouba, seria omissão.
Por isso o Senhor levantou o profeta Malaquias para advertir os líderes de Israel.
Há também quem defenda a idéia do roubo a Deus, alegando que não so os sacerdotes roubavam a Deus mas o povo também (nação).

"Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação." Ml 3:9

O ponto é a nação tinha uma representação e eram os sacerdotes, aqui está provavelmente apenas enfatizando a responsabilidade dos lideres, e outra possiblidade não menos importante é que haviam ofertas que eram obrigatórias (como pagamento por causa dos pecados Lv 4:27-28 , Lv 5:5 , Lv 6:6 ), e eram obrigatórias como o dízimo, pois igualmente faziam parte da lei. Mas mesmo assim a um escopo, está escrito "TODA ESTA NAÇÂO" ( a nação de Israel). Nao se pode atribuir isso a IGREJA DE CRISTO.

O Sacerdócio sempre foi corrupto, prova disso é o que nos relata o livro de Hebreus, onde diz que Jesus não poderia ter vindo por nenhum dos Sacerdocios já existentes, porque o sacerdócio de homens é corrupto.
Então Jesus foi posto sumo-sacerdote por um sacerdócio exclusivo - o de "Melquizedeque".

"De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão?

"Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei." (Hb 7:11-12)

"Visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, e concernente a essa tribo nunca Moisés falou de sacerdócio.
E muito mais manifesto é ainda, se à semelhança de Melquisedeque se levantar outro sacerdote,
Que não foi feito segundo a lei do mandamento carnal, mas segundo a virtude da vida incorruptível.
Porque dele assim se testifica: Tu és sacerdote eternamente, Segundo a ordem de Melquisedeque.

"Porque o precedente mandamento é ab-rogado por causa da sua fraqueza e inutilidade" (Hb 7:14-18)

Até mesmo no Novo Testamento quando o Senhor Jesus falou com os Fariseus acerca do dízimo ele foi bem claro.Ele disse que de nada adiante dar o dizimo e negligenciar o mais importante da Lei.
Jesus falou sobre a Lei, no período da Lei, por isso ele disse "mandamentos da lei", diferente do que pregam os pastores em geral, que afirmam que o Senhor Jesus, mandou que continuássemos a devolver o dízimo.

"Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas." (Mt 23:23)

"Fazer estas coisas e não omitir aquelas" (concernentes a lei).

"E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive.
E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos." (Hb 7:8-9)

"E aqui certamente toma dízimos homens que morrem..." , também usado como ardil pelos Pastores, esse versículo no "Novo Testamento", não está confirmando que o dízimo é uma prática também na Nova Aliança, mas se ler atentamente você vai entender.
Ele diz aqui (entre os Hebreus não convertidos) tomam o dízimo e ainda assim morrem , mas ali (entre os Hebreus convertidos) vive-se independentemente do dízimo. Por que é Cristo que traz a vida e não a Lei de Moisés.Além de que o escritor disse: de Abaão até Levi.

Mais uma prova disso é que não encontramos nenhuma mensagem de Paulo as igrejas ou na narrativa do livro de Atos, uma coleta do dízimo.E é ponto comum a todos os crentes, que as epístolas paulinas são instruções as igrejas desde sua época até hoje, e o será até o retorno do Senhor Jesus.

Meu caro leitor, o que Deus ordenou para a igreja foram ofertas de amor, com alegria e não por obrigação, ou tão pouco coação.
"Portanto, tive por coisa necessária exortar estes irmãos, para que primeiro fossem ter convosco, e preparassem de antemão a vossa bênção, já antes anunciada, para que esteja pronta como bênção, e não como avareza.

E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará.

"Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria."(II Co 5:7)

Este é o mandamento de Deus para a igreja (lembre-se igreja não é Israel), que se oferte com o coração, não com tristeza.
O Senhor não quer nenhum embaraço em sua igreja, e tem mais a oferta é para a obra, por ele diz que abençoa os que contribuem com alegria.

"E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a boa obra;"(II Co 5:8)

E mais uma coisa, as ofertas nas igrejas são para suprir as necessidades daqueles que vivem só para a obra e para auxilio aos necessitados.

"Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do
evangelho." (I Co 9:14)

"Porque a administração deste serviço, não só supre as necessidades dos santos, mas também é abundante em muitas graças, que se dão a Deus." (II Co 9:12)

Mas o que mais acontece, são Pastores e supostos Apóstolos que usurpam a tesouraria das igrejas, e concedem a si mesmos privilégios como: andar em carros caros, e morar em suntuosas casas nos locais mais nobres. Como por exemplo Morro Santa Teresinha em Santos ou Alphaville em São Paulo.
E aqueles a quem deveriam ser dirigidos as ofertas e os "dízimos", que são os necessitados (órfãos e viuvas), os Missionários, que entregavam sua vida a Jesus e atendem a Grande Comissão Mundial, vão a lugares longínquos, hostis e sem o mínimo do conforto, as esses as ofertas não chegam. Eles na maioria das vezes precisam lutar pela própria sobrevivencia(fazedores de tendas como Paulo) enquanto pregam a Palavra de Deus. Mas o mais curioso é que o Estandarte é a "Placa do ministério", Assembléias de quem mesmo?

Mas voltando ao dízimo, só para encerrar. Muitos dizem, mas o dízimo não foi instituido na Lei, Abraão deu dízimo, Jacó deu dízimo, isso antes da lei. Então o dízimo é pra ser dado ainda hoje.

Pois é, de fato ele foi dado (ou devolvido se preferir), e do jeito que Abraão fez e que Jacó fez, assim é que deve ser o dízimo hoje. Mas como assim?
Gostaria que alguém me mostra-se na Bíblia onde Abraão ou Jacó foram ordenados, obrigados ou coagidos a entregarem o dízimo.
Não foram, não é mesmo?
Esse dízimo foi voluntário, foi um voto com Deus, foi um ato de adoração e gratidão.
Se você quizer ser um dízimista na sua igreja, seja.Mas seja por adoração e gratidão ao Deus que tudo faz. E não por temor de estar roubando a Deus, ou por qualquer outra razão.
Há igrejas que desligam os membros, outras em que expõem o irmão ao vitupério.

Mas Jesus nos ensinou a não nos pormos debaixo de julgo desigual.Se a igreja que você está hoje, não possui uma visão missionária, se seus lideres vivem só dá obra, mas no maior luxo, se sua igreja "faz alvos" para pagar "algum compromisso que você nem sabia que ela tinha", cuidado !!!!!

Hoje não existe mais também as ofertas alçadas, e ainda assim as ofertas alçadas que fazem, é completamente diferente das que haviam no Antigo Testamento(antibíblica) .
Oferta alçada pelo certo é um valor livre de um algo específico. Por exemplo: a oferta alçada do ouro e da prata.Oferta o ouro e oferta a prata, o que cada um propôs em seu coração.
Irmão é chegada a hora de vivermos a verdade como ela é e não como se quer.
Você deve estar pensando, ele não oferta, mas eu oferto , mas não para uma igreja específica, mas para a obra missionária, como Jacó,por amor e gratidão e adoração a Deus.

"Jacó fez um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer, e vestes para vestir;
E eu em paz tornar à casa de meu pai, o SENHOR me será por Deus;
E esta pedra que tenho posto por coluna será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo."(Gn 28:20-22)












4 comentários:

james disse...

.


Misericórdia, e paz, vos sejam multiplicadas, amado em Cristo.



Irmão Vanderlei Borkoski,



Eis, pois, um assunto que em demasia é rejeitado pelos dizimistas.

Infelizmente, existem milhares e milhares de irmãos (???) que se sujeitam ao ato de dizimar, por desconhecimento da Palavra de Deus ou fingindo não conhecer, e por avareza, derramam fortunas nos cofres eclesiásticos, no intuito de solução de problemas financeiros e visando o enriquecimento fácil através de Deus...

Há também, que dizermos dos incautos, preguiçosos em meditar nas Sagradas Escrituras, que aceitam tudo o que é “vomitado” dos púlpitos, e se sujeitam a manterem os gurus evangélicos...

A negligencia a Palavra de Deus é assustadora!! Não se permitem escutar a voz do Bom Pastor, mas esperam na obrigatoriedade legalista e fundamentalista exacerbada de um sem número de implacáveis pastores, lobos vorazes, dizimar e serem utilizados como um povo mesquinho, analfabeto bíblico, preguiçoso, medroso, escravo de um jugo desigual!

Deus o abençoe e aos seus ricamente.


Por Cristo. Em Cristo. Para Cristo. Nos interesses de Sua Igreja.



Fraternalmente,



irmão James.
Jesus, o maior Amor
Comunidade "Adoradores em Casas"
Comunidade "Blogueiros Cristãos"

...
..
.

Anônimo disse...

(Comentário de César) A paz irmão. Esta guerra Dízimo X Ofertas parece que será eterna enquanto existirem os mercenários da fé sobre o planeta.
Interessante é que onde você cita Paulo justificando que os que pregam o evangelho vivam do evangelho, é que ali naquele capítulo mesmo, nos versículos 12, 15, e 16-18 Paulo abre mão disto, pois não quer se contaminar, tornar vazia a sua glória, nem criar impedimento algum ao anúncio do evangelho.
É hilário escutar de um pastor dizimólatra que não tolera o uso do véu, pois diz que aquilo foi escrito somente para uma igreja específica, numa época específica, mas já o dízimo, em substituição à falta da herança em terras dos levitas... ah, aí a coisa muda, e não era mais só dos levitas, nem do contexto da Lei ab-rogada em Cristo, mas serve para 2011, para a igreja dele. Nisto não se mexe!
Não é estranho como se escolhe na Bíblia o que se quer seguir, e o que é difícil fica sendo que o apóstolo tal falou somente para povo tal? Complicado e meio isto...
Mas irmão, me responda com sinceridade: Uma vez que, DESDE O ANTIGO TESTAMENTO (Ex 25:2, Ex 35:21-22 e 26-29, etc...) O Senhor se agradava daquilo que era ofertado voluntariamente e com prazer, até os versículos que citou acima... e sendo o dízimo uma obrigação... então o espírito do dízimo não MATA a voluntariedade e alegria da oferta? Responda esta para mim...
A outra eu te respondo: Como a CCB (MInha igreja) vive até hoje de ofertas, paga tudo, NÃO TEM DÍVIDAS, e... sinceramente, seus prédios são bem estruturados e muitos suntuosos? Só de ofertas? Resposta: Simples assim!!! Mas como? Deus provê, basta ter fé (Não a do deus-dinheiro, rs...)
Estou esperando sua resposta, se pode haver espírito de voluntariedade e alegria no sistema dizimista!

Vanderlei L. Borkoski disse...

Paz do Senhor irmão César !

Interessante seu comentário sobre Paulo. De fato, apesar de ser direito receber ajuda do Ministério ainda assim prederiu não ser "pesado", ao tempo que hoje é inversamente proporcional, ou seja, os pastores são muito muito pesado, enquanto poderiam ser leves - "fazedores de tendas".

Irmão respondendo sua pergunta...

A oferta no Antigo Testamento, era OFERTA AlÇADA, Deus estabelecia um escopo (ouro, prata, tecidos, etc) e dentre esse escopo cada um DOAVA AQUILO QUE LHE APROVOUVE-SE. Essa oferta difere da oferta de II Co 9:7 - E o propósito também muda, pois a oferta de Êxodo (oferta alçada) era em prol do Tabernáculo (Sua edificação) , foi uma oferta com tempo certo para começar e acabar. Já a oferta de da Igreja era para auxiliar aos pobres, na medida do coração. A coleta era semanal, eram alimentos (assim como o dízimo no AT) e era pra auxiliar os necessitados), muito diferente de hoje, onde a coleta é feita culto a culto e auxilia apenas nos interesses pessoais das lideranças (com raras exceções).

Vamos ao cerne de sua pergunta, o dízimo era ordenança e a oferta também, não havia diferença quanto a isso. O ponto é na Igreja, é absurdo cobrar, coagir sob pretexto, não há alegria nisso. A alegria está no amor a obra e o prazer em ofertar para que almas sejam alcançadas, seja com 10%, 20%, 100% do seu dinheiro, do seu tempo, da sua vida.

Pena que isso não é pregado.

Me encanto quando leio :

"E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.
E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.
E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum.
E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.

E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,
Louvando a Deus,
e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar."


Atos 2:42-47

Anônimo disse...

(Comentário de César) No A.T., em Números, aparece no cap. 15 referência a oferta alçada novamente, sobre as primícias da terra. Se fôssemos transpor para os dias de hoje, eu acho correto, sinceramente, agradecer ao Senhor por prosperar no emprego, ou uma conquista, e dar uma oferta, em agradecimento. Mas você sabe irmão que o que ocorre não é isso. É uma idolatria doentia, onde se oferta ou dizima MAL INTENCIONADO, querendo ver o pagamento daquilo em bênçãos materias, querendo colher depois. Tenho um conhecido evangélico de Brasília que vem aqui ocasionalmente, e me disse que nunca iria parar de dar o dízimo porque depois que começou a dar, melhorou o salário dele. Da mesma forma a esposa de uma amigo começou a dar dízimo, disse que veio um acréscimo na conta dela, e agora não pára mais. ISSO É NOJENTO! UM DEUS DE BARGANHA, é o que fazem do nosso Altíssimo Deus. Um ídolo! Como ter comunhão com isso irmão? Onde tem evangelho ali?
Às vezes uso os exemplos do A.T. que é para mostrar que mesmo naquele contexto, não era assim os dízimos ou ofertas. Se ofertava o que a mão alcançava somente, e sobre o dízimo, mesmo o sacerdote tinha que pagar, um dízimo do dízimo. E em muitas ocasiões o produto era comido com os ofertantes. Pergunto: Isso acontece hoje? (Isso para não falar no N.T., que derruba definitivamente esta questão... para quem quer enxergar...)
Fica em paz irmão!