Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Isaías 9:6

Conclamação

Todos os textos aqui postados são de minha autoria, salvo aqueles em que estiverem as devidas referências bibliográficas e links.
Devemos ser originais em nossas colocações, mas não imaginários e sim embasados tão somente nas sagradas escrituras e respaldados pela lingüística, ciência, história e legislação humana.




Direitos do Blog

O blog Jesus Cristo Príncipe da Paz tem seus direitos respaldados nos incisos IV, VI e IX do artigo 5º da Constituição Federal, abaixo transcritos:



IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”

VI – “É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos, salvo o dos que contrariem a ordem pública ou os bons costumes.”

IX – “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.



Respalda-se também Lei nº. 9610, de 19/02/1998, que rege o seguinte:

Art. 46: Não constitui ofensa aos direitos autorais:– a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e obra.





Profecias de dupla referência. O que são.

Esse assunto é muito interessante e valioso, por isso vamos conhecer mais sobre tais profecias.

As passagens bíblicas em azul.
Textos com referências em vinho.

Na interpretação profética, diversos elementos são analisados e são divididos e organizados em leis, a dupla referência é uma delas.


Leis para interpretação de profecias


ESTUDOS EM HERMENÊUTICA BÍBLICA
Ou, Leis Básicas de Interpretação da Bíblia
Pr. Davis W. Huckabee


Muitas vezes ocorre que determinada passagem das Escrituras pode ter uma referência dupla, uma imediata e local, e a outra profética e bem distante. Quando tal é o caso, há grande confusão se não reconhecemos isso e não levamos em consideração o aspecto profético da dupla referência...”

A Lei da Dupla Referência é simplesmente o reconhecimento de que o cumprimento de determinada passagem das Escrituras pode não ter esgotado seu significado, mas que pode haver um cumprimento maior e posterior da passagem.

Essa Lei se encontra principalmente nas partes proféticas da Palavra, pois a profecia é muitas vezes apresentada figurativamente em alguns eventos locais. Tal caso é aquele que se acha nas predições de nosso Senhor sobre a destruição de Jerusalém, que veio a ocorrer no ano 70 d.C., que prefigura a invasão final da Terra Santa por exércitos do Anticristo, e a Grande Tribulação que então sobrevirá.... No caso da destruição de Jerusalém em 70 d.C., a profecia se cumpriu literalmente, e incontáveis milhares de judeus foram mortos do modo mais cruel e bárbaro que dá para imaginar. Mas esse cumprimento não esgotou a profecia, pois o Livro de Apocalipse, que foi escrito depois desse evento, ainda aguarda uma matança terrível de judeus e gentios, que reduzirá a população deste planeta à quase metade.”

Muitos pensadores liberais e modernistas se equivocam porque, por negligência, não levam em consideração essa Lei da Dupla Referência na interpretação da Bíblia. Pois muito mais que freqüentemente eles procuram um cumprimento imediato e local de certas profecias, e quando essas não se cumpriram literalmente no tempo designado por esses indivíduos que se julgam especialistas na arte de interpretar, eles as explicam como falhas por parte de Deus.”

Essa Lei da Dupla Referência, no que se refere a indivíduos, encontra numerosos exemplos nos livros proféticos. Principalmente em Daniel, vemos o Anticristo definitivo várias vezes retratado sob as figuras imediatas e locais do rei da Babilônia, do rei da Grécia, do rei da Síria, etc. "

Algumas pessoas costumam confundir profecias e apocalipse, como se apocalipse fossem apenas revelações futuras (escatológicas) e não aplicaveis a alguns profetas como Isaías por exemplo.
Mas essa é uma interpretação errônea.

Observe o texto abaixo:

“A palavra apocalipse, do grego αποκάλυψις (termo primeiramente usado por F. Lücke) (1832) significa, em grego, "Revelação". Um "apocalipse", na terminologia do judaísmo e do cristianismo, é a revelação divina de coisas que até então permaneciam secretas a um profeta escolhido por Deus. Por extensão, passou-se a designar de "apocalipse" aos relatos escritos dessas revelações.
Devido ao fato de, na maioria das bíblias em língua portuguesa se usar o título Apocalipse e não Revelação, até o significado da palavra ficou obscuro, sendo às vezes usado como sinônimo (errôneo) de "fim do mundo".”

Wikipédia

Essa interpretação errada é devido ao Apocalipse de João, daí surgiu a generalização dado o conteúdo principal do livro ser escatológico.

Mas como se pode observar toda revelação é apocalíptica no seu sentido original (léxico).
As profecias de dupla referência trazem em seu bojo revelações, o que as qualifica como apocalípticas, fazendo ela menção tanto a fatos ocorridos antes da criação do mundo, quanto aos referentes aos últimos dias (escatológicos).


Esclarecido o termo apocalíptico fica mais fácil entender as revelações de Isaías, estas são:

Imediatas (as que Isaias profetizava aos seus contemporâneos), são messiânicas (as concernentes a vinda do Messias) e revelações quanto a fatos ocorridos anteriormente no mundo espiritual , como visto na
profecia de dupla referência de Isaias 14.

“Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações!
E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte.
Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo.
E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo.
Isaías 14:12-15

A priori Isaias falava ao Rei da Babilônia, e em meio a profecia faz a referência a Satanás que foi lançado a terra. Na máxima concordância e harmonia com os escritos de dupla referência de Ezequiel (que faz a narrativa de Satánas em dupla referência com o rei de Tiro), que trata da existência de Lúcifer antes da queda.

“Estiveste no Éden, jardim de Deus; de toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônia, topázio, diamante, turquesa, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados.
Tu eras o querubim, ungido para cobrir, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas.
Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti.

Na multiplicação do teu comércio encheram o teu interior de violência, e pecaste; por isso te lancei, profanado, do monte de Deus, e te fiz perecer, ó querubim cobridor, do meio das pedras afogueadas
Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que olhem para ti.
Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu e te tornei em cinza sobre a terra, aos olhos de todos os que te vêem.” Ez 28:13-18

E fecha perfeitamente com a Revelação de João em Apocalipse 12.

“E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos;
Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus.
E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele. “ Ap 12:7-9


Até mesmo os livros poéticos como Jó e os Salmos possuem em seu bojo textos apocalípticos (no sentido correto da palavra).

"Então disse: Eis aqui venho; no rolo do livro de mim está escrito." Sl 40:7

"Repartem entre si as minhas vestes, e lançam sortes sobre a minha roupa." Salmos 22 : 18

"E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. E, repartindo as suas vestes, lançaram sortes." Lucas 23 : 34

Agora para arrematar a questão vou postar mais algumas profecias de dupla referência e também a forma que os judeus interpretam escrituras.

"Eis-me aqui, com os filhos que me deu o SENHOR, por sinais e por maravilhas em Israel, da parte do Senhor dos exércitos, que habita no monte de Sião". Isaías 8:18
No entanto, essa declaração é citada em Hebreus 2:13 como se referindo a Cristo e Seus irmãos.”

"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas, para que a possa ler quem passa correndo. Porque a visão é ainda para o tempo determinado, mas se apressa para o fim, e não enganará; se tardar, espera-o, porque certamente virá, não tardará". Habacuque 2:2-3
Essa profecia se aplica à vinda de Cristo em Seu segundo advento em Hebreus 10:37 em que esses versículos são citados em parte nesse contexto.


Veja que caso interessante:

“QUANDO Israel era menino, eu o amei; e do Egito chamei a meu filho”. Oséias 11:1

Refere-se a Israel (Êx 4:22) , mas tem uma dupla referência com Jesus.

Isso pode ser comprovado lendo o evangelho de Mateus

“E esteve lá, até à morte de Herodes, para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: Do Egito chamei o meu Filho. Mateus 2 : 15

Se a profecia referia-se a Israel e Mateus aplica a profecia a Jesus, onde está o erro?

O erro não está na escritura, mas na interpretação unicamente literal da mesma. (ou seja, não reconhecer a dupla referência).

Como os Rabinos interpretam as escrituras:

4 métodos, a saber:

1º. P’shat (simples)

O sentido literal e pleno do texto. Acadêmicos modernos freqüentemente usam a exegese histórico-gramatical como sendo o único meio valido de lidar com um texto.

Por essa analise poderia considerar que Mateus equivocou-se ou mentiu.

2º. Remez (dica) - presentes numa palavra, numa expressão ou em outros elementos no textoestão dicas sobre uma verdade não estabelecida pelo p’shat

3º. Drash ou midrash (busca) – uma aplicação alegórica ou homilética de um texto.

4º. Sod (segredo) - um significado místico ou escondido, alcançado pela operação de valores numéricos de letras hebraicas, ressaltando formas de soletrar incomuns, transportando letras e coisas do gênero.

Comentário Judaíco do Novo Testamento - David H. Stern

Esses quatro métodos para trabalhar um texto são lembrados pela palavra hebraica “PaRDeS”, um acrônimo formado pelas iniciais; significa “pomar” ou “jardim”.

O que Mateus fez foi ir além do P’shat e interpretar pelo Remez ou talvez pelo Sod (segundo alguns rabinos).

Ou seja, a profecia atendia tanto a Israel como a Jesus Cristo (dupla referência).


The end.