Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Isaías 9:6

Conclamação

Todos os textos aqui postados são de minha autoria, salvo aqueles em que estiverem as devidas referências bibliográficas e links.
Devemos ser originais em nossas colocações, mas não imaginários e sim embasados tão somente nas sagradas escrituras e respaldados pela lingüística, ciência, história e legislação humana.




Direitos do Blog

O blog Jesus Cristo Príncipe da Paz tem seus direitos respaldados nos incisos IV, VI e IX do artigo 5º da Constituição Federal, abaixo transcritos:



IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”

VI – “É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos, salvo o dos que contrariem a ordem pública ou os bons costumes.”

IX – “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.



Respalda-se também Lei nº. 9610, de 19/02/1998, que rege o seguinte:

Art. 46: Não constitui ofensa aos direitos autorais:– a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e obra.





Especial de Natal



 

Estamos na proximidade do Natal, talvez o mais importante feriado no Ano, onde supostamente comemoramos a natividade do Senhor Jesus Cristo, vemos as ruas enfeitadas com muitas luzes, árvores (pinheiros) como bolas coloridas, a figura do Papai Noel que como conta a tradição visita os lares na noite de natal, deixando presentes as criancinhas que se portaram bem, presépios são montados, onde vemos um infante Jesus cercado por animais, por seus pais José e Maria, além da figura de alguns pastores de ovelhas e dos 3 reis magos, tradicionalmente chamados de (B)Melquior, Baltazar e Gaspar.
As famílias se reúnem e ceiam juntas, muito se fala de uma tal espírito de natal.

Mas de onde surgiu tudo isso?  E o mais importante: Está fundamentado na Bíblia? 

O porquê do questionamento é o escopo da data, ou seja, o nascimento de Jesus, por conseguinte tudo então deve ter base bíblica, do contrário algo está errado.

Vamos então examinar com base nas Escrituras.

1º Os reis magos eram três?  Estiveram na mangedoura quando do nascimento de Cristo?

Não há referência alguma na Bíblia que houveram  três reis, mas sim que foram entregues três presentes, dai se pressupôs serem três, ademais não há nome algum, os nomes sugeridos são mais um foco de especulação.
Tão pouco afirma-se que tenham sido reis, e sim magos, provavelmente a especulação de que tenham sido reis é oriunda do valor dos presentes oferecidos. (Ouro , Mirra e Incenso)



2º. Estiveram na mangedoura quando do nascimento de Cristo? 

De forma alguma, provavelmente chegaram cerca de dois anos depois e foram diretos a casa onde estava Maria.


 "E, entrando na casa, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro, incenso e mirra."  Mateus 2:11


Quanto ao a época da chegada dos Magos, tomamos como base o diálogo deles com Herodes.

"E, TENDO nascido Jesus em Belém de Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do oriente a Jerusalém,


Dizendo: Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? porque vimos a sua estrela no oriente, e viemos a adorá-lo.

E o rei Herodes, ouvindo isto, perturbou-se, e toda Jerusalém com ele." Mateus 2:1-3


"Então Herodes, chamando secretamente os magos, inquiriu exatamente deles acerca do tempo em que a estrela lhes aparecera". Mateus 2:7



"Então Herodes, vendo que tinha sido iludido pelos magos, irritou-se muito, e mandou matar todos os meninos que havia em Belém, e em todos os seus contornos, de dois anos para baixo, segundo o tempo que diligentemente inquirira dos magos".  Mateus 2:16



Então ficou claro até aqui que a tradição no que concerne o nascimento de Cristo está errada, mas não para por aqui.

Jesus nasceu no dia 25 de dezembro?

Novamente a resposta é não. A data exata de seu nascimento é uma incógnita histórica, mas certo é, que não nasceu em dezembro.

Vejamos as constatações:

Jesus nasceu durante o período do senso romano, onde cada cidadão era obrigado a regressar a sua cidade natal para o recenseamento, por conseguinte José (esposo de Maria) partiu com ela para Belém.  Esse recenseamento ocorreu durante o reinado de Herodes, o que nos dá o escopo de 8 a.C, Herodes morreu quatro anos depois do início e não antes de dois anos do nascimento de Jesus, então provavelmente nasceu em 6 A.C . (Tendo como base a data considerada oficial de 25 de dezembro A.D)

Na noite do nascimento de Jesus os pastores foram avisados pelo anjo, eles estavam pastando suas ovelhas, o que implica que não poderia estar frio como ocorre no mês de dezembro naquela região, além das chuvas constantes nessa época, o céu estava limpo e haviam estrelas.
 A própria Bíblia relata que o inverno é um período de chuvas constantes (Cantares 2:1 ; Esdras 10:9-13)

Presume-se que o nascimento tenha ocorrido em agosto.

3 º. Mas por que então 25 de dezembro?

Resposta: Paganismo !

Dia 25 de dezembro era a data em que se comemorava o nascimento de Tamuz (deus-sol), pelos romanos.
Como já foi explanado nas postagens acerca da trindade e da páscoa, a idolatria tem um fundamento, a  Babilônia.

 Ler:

http://jesuscristoprincipedapaz.blogspot.com/2011/04/especial-de-pascoa.html


http://www.jesuscristoprincipedapaz.blogspot.com/2011/08/trindade-crista-ha-de-fato-um-deus.html


Três nomes são o ponto de partida: Ninrode, Semiramis e Tamuz.
Das lendas que cercam a morte de Tamuz, surgiu a adoção do pinheiro (árvore de natal) e os enfeites que são colocados na árvore.

Reza a lenda que Tamuz (filho de Semíramis e supostamente a reencarnação de seu pai Ninrode) caçava em uma floresta quando foi atacado e morto por um porco selvagem. Então Semíramis e suas sacerdotisas choraram a morte de Tamuz e jejuaram por 40 dias,(Essa pratica pagã foi adotada por Judá - Ez 8:14) após isso ele teria ressuscitado, no lugar onde morreu surgiu então o pinheiro, que as sacerdotisas enfeitavam, também trocavam entre si, presentes.

Brumália 

Festa pagã que comemorava o nascimento do deus sol, no dia mais curto do ano. (25 de dezembro), anterior a ela era comemorada a Saturnália (17 a 24 de dezembro) que posteriormente veio a se tornar o nosso carnaval.

O culto ao deus sol é abominação registrada na Bíblia

"E levou-me para o átrio interior da casa do Senhor, e eis que estavam à entrada do templo do Senhor, entre o pórtico e o altar, cerca de vinte e cinco homens, de costas para o templo do Senhor, e com os rostos para o oriente; e eles, virados para o oriente adoravam o sol." Ez 8:16

Maniqueismo

É a identificação do filho de Deus (Jesus) com o sol. Essa introdução no cristianismo se deu por conta de Constantino quando de sua "conversão" e fundamentação do cristianismo como religião aceita em Roma e posterior oficialização como única religião romana.

Deus proibe e condena árvores como  instrumento de adoração.

"Não plantarás nenhuma árvore junto ao altar do SENHOR teu Deus, que fizeres para ti." Dt 16:21

  "Sacrificam sobre os cumes dos montes, e queimam incenso sobre os outeiros, debaixo do carvalho, e do álamo, e do olmeiro, porque é boa a sua sombra; por isso vossas filhas se prostituem, e as vossas noras adulteram."  Os 4:13

4º.Papai Noel, quem é ele?

"São Nicolau, o bispo de Mira, santo venerado pelos gregos e latinos em 6 de dezembro... conta-se uma lenda segundo a qual presenteava ocultamente a três filhas de um homem pobre... deu origem ao costume de dar em secreto na véspera do dia de São Nicolau (6 de dezembro), data que depois foi transferida para o dia de Natal. Daí a associação do Natal com São Nicolau..." 

Enciclopédia Britânica, 11ª edição, vol. 19, páginas 648-649

Como se pode ver, São Nicolau e o Natal não eram associados a principio, contudo o seu dia foi transferido de 06 de dezembro para 25 de dezembro e tornou-se assim  o símbolo maior do Natal.


Mediante tudo isso só resta concluir que o natal é pagão, os Apóstolos nunca comemoraram o nascimento de Cristo, mas sim sua morte até que venha.

"E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim." Lc 22:19 (I Co 11:23-26)

5º. Espírito do Natal


Pode ser também chamado de espírito do engano, o tal espírito é o que fomenta outro espírito, o do capitalismo. Essa é a época em que as pessoas mais se endividam, a fim de manter a tradição de presentear. Uma falsa solidariedade que não é costumeira no decurso do ano, eclodi nessa época festiva. Infelizmente vai embora tão rápido quanto vem.
 
Nota:


  A Guirlanda (coroa verde adornada com fitas e bolas coloridas) também é pagã.

 "[A guirlanda] remonta aos costumes pagãos de adornar edifícios e lugares de adoração para a festividade que se celebrava ao mesmo tempo do [atual] Natal. A árvore de Natal vem do Egito e sua origem é anterior à era Cristã."


Frederick J. Haskins em seu livro "Answer to Questions" 

As velas de natal , são uma velha tradição pagã, pois se acendiam ao ocaso para reanimar ao deus sol, quando este se extinguia para dar lugar à  noite.



Nota II:

 A comemoração de passagem de ano de 31 de dezembro para 1º  de janeiro também é de origem pagã, está associada a Janus o deus das mudanças (um homem com dois rostos).
 Por isso Janeiro (Janus)



Baruch HaShem Adonai !

A crucificação de Jesus.



A crucificação de Jesus para muitos é o simbolo do fracasso de Cristo, por ter sucumbido a morte, no entanto para nós os cristãos que conhecemos as profecias e o propósito de Deus, vemos neste acontecimento sem paralelos, a maior obra vicária da humanidade. Temos o Filho Unigenito de Deus pendurado no madeiro, para redimir os homens do pecado, que os separa de seu Criador.Ele morreu e ressucitou e foi visto por muitos. (At 15:1-8)

O escopo dessa postagem é especificar alguns aspectos da crucificação em si.Recentemente conversando com um pastor Assembleiano, ouvi a seguinte assertiva: De que Jesus morreu devido a lança do soldado romano que transpassou Jesus. Fiquei assombrado com essa afirmação, pois redunda no maior engano.

De mesma sorte, é um engano acreditar que Jesus carregou uma cruz nos moldes em que vemos nos filmes, é um erro crasso essa reconstituição da crucificação de Cristo.

Vamos aos fatos:


Quanto a cruz:

A cruz de execução romana na verdade é uma estaca de execução (exatamente como afirmam as Testemunhas de Jeová), contudo essa estaca que já é fixa no lugar (verticalmente) recebe um travessão (e é esse travessão horizontal que foi carregado por Cristo).

A estaca chama-se Stauros (grego) , e o travessão Patibulum (latim).

A cruz na verdade assume a forma da letra (T) mas a também há a  cruz na forma que conhecemos (+)

Jesus foi pendurado numa cruz (+), essa conclusão se dá devido a inscrição que estava acima da cabeça de Jesus. (Mt 27:37)

A pratica de executar em cruz teve inicio entre os povos nomades, a registros também entre sírios e outros povos anterior ao romanos.

Entre os judeus não há registros dessa prática, por isso é um erro teológico interpretar que Dt 21:22-23 faz menção a crucificação. Na verdade o madeiro aqui referido é o enforcamento (que também se dá através de um madeiro).

"Quando também em alguém houver pecado, digno do juízo de morte, e for morto, e o pendurares num madeiro,
O seu cadáver não permanecerá no madeiro, mas certamente o enterrarás no mesmo dia; porquanto o pendurado é maldito de Deus; assim não contaminarás a tua terra, que o Senhor teu Deus te dá em herança."  Dt 21:22-23

Por conseguinte o Apóstolo Paulo quando usou esse texto para justificar que aquele que morre no madeiro é maldito, e o fez referindo-se a Cristo que morreu por nós no madeiro romano (cruz), a bem da verdade ele adaptou o texto ao fato, ele intertextualizou. 

"Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;" Gálatas 3 : 13

Quanto a forma da morte: 

Jesus sofreu muito antes de ser pendurado no madeiro, sofreu grandes flagelos, o que lhe consumiu a energia, o fez perder muito sangue. Quando Jesus foi pendurado, seu corpo já estava definhando, a posição em que se encontrava dificultava e muito sua respiração. Aliás , a cruz é uma morte muito dolorosa e para muitos dias, a idéia é que o condenado definhe pela fome, pela sede, pelas dores e por fim por asfixia.
No caso de Jesus, a sua debilidade acelerou esse processo, quando curvou sua cabeça e disse: Tetelestai (está consumado), nesse momento morreu (por asfixia que é o mais provável ou no muito por uma parada cardiaca segundo alguns especialistas).

"E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito."  João 19 : 30

Os ladrões que estavam a sua volta ainda estavam vivos, então dado a proximidade do Shabat, os judeus instigaram os romanos a matarem os criminosos, para que não estivessem mais pendurados nesse dia sagrado. 

"Os judeus, pois, para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, visto como era a preparação (pois era grande o dia de sábado), rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados." João 19:31
Por essa razão tiveram suas pernas quebradas, para que o corpo desce-se e ele asfixia-sem, essa prática chama-se Crurifragium. Com os pernas quebradas o corpo ficaria suspenso apenas pelos braços acelerando assim a asfixia.

No momento em que foram quebrar as pernas de Jesus, notaram que já estava morto, ai sim é que o soldado romano ofurou com a lança, ou seja, ele o fez para ter certeza que Jesus estava morto e não para matá-lo. Como disse no inicio da postagem erro  crasso afirmar do contrário.

"Foram, pois, os soldados, e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro, e ao outro que como ele fora crucificado;
Mas, vindo a Jesus, e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas.
Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água."

João 19:31-34

Nota: 

Pra quem assistiu o filme Paixão de Cristo (do Mel Gibson) e achou o filme "fiel" as Escrituras é digno de nota que a cruz ali representada não é a mesma que Jesus carregou conforme explicitei na presente postagem , e mais um detalhe que creio que passa despercebido, o soldado na hora de pregar os cravos, trás o braço de Jesus com toda a força para a posição e na hora dá a clara impressão que o braço de Jesus foi quebrado para que o objetivo fosse alcançado. Contudo as Escrituras atestam que Jesus apesar de todo seu flagelo, não teve nenhuma fratura. Há outras observações que poderiam ser feitas (como sobre Maria ou Satã, sempre presente), mas creio que essas duas são as que interessam visando o escopo da postagem.

 "Porque isto aconteceu para que se cumprisse a Escritura, que diz: Nenhum dos seus ossos será quebrado."
João 19:36  (Conf. Salmo 34:20)


Elohim Mélech Néder

O dom de linguas.



O Dom de línguas é um assunto um tanto controverso nos estudos da Bíblia. Existem várias interpretações do dom, pretendo explanar brevemente sobre os mesmos, e como já é praxe passar todas as teses pelo crivo, de sorte que vamos compreender de fato o que é, como se deu e como se dá hoje esse dom. 

A primeira manifestação do dom de línguas se deu na efusão do Espírito Santo no dia de pentecostes, onde estavam reunidos os apóstolos e muitos discípulos, cumprindo a ordem de Cristo de aguardar até que do céu fossem revestidos de poder.

A efusão do Espírito Santo veio como línguas de fogo sobre cada um que lá estava.

"E, CUMPRINDO-SE o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar;
E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados.
E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.
E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem."

Atos 2:1-4

Os carismáticos (pentecostais) entendem ser (em geral) ser esta a mesma manifestação encontrada em suas igrejas (o falar em línguas estranhas), por sua vez os protestantes (a exemplo: Batistas, Presbiterianos, etc.) entendem ser este sim um dom espiritual, contudo discordam ser "línguas estranhas", e trata-se sim de dom de "línguas estrangeiras".

Por essas duas perspectivas todas as demais manifestações registradas nas Sagradas Escrituras são ou uma coisa ou outra, ou seja, ou são línguas estranhas ou são línguas estrangeiras.

A questão é: Quem está com a razão? Os carismáticos ou os protestantes e demais grupos cristãos?

Antes de responder a essa pergunta, vou complicar um pouco mais. Os carismáticos (pentecostais) entendem ser esse o mesmo dom do período apostólico e permanece até hoje. Já as demais denominações entendem que esse dom esse encerrou com a Canon Bíblico.

Agora vamos esclarecer ambas as assertivas.

Sem dúvida alguma no dia de Pentecostes o que houve foi o derramamento do Espírito e que permitiu que cada um que lá estava fala-se em sua própria língua e entende-se da mesma forma, mesmo havendo o agravante de haver homens de várias nações cada qual com seu idioma.

Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos? 
"Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia,
E Frígia e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos,
Cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus."

 Atos 2:8-11

Nesse caso em especial a razão fica com os Protestantes, esse foi indubitavelmente uma manifestação do dom de línguas estrangeiras. A essa manifestação dá-se o nome de Xenolalia. Mas isso não encerra a questão.

O registro do falar em línguas encontra-se em Atos 10, aqui vemos Pedro evangelizando a Cornélio homem gentio (não judeu), e ambos travam um diálogo, é importante observar isso porque nos demonstra que não haveria necessidade alguma  de uma manifestação de línguas estrangeiras uma vez que ambos se comunicavam perfeitamente. 

"E, falando com ele, entrou, e achou muitos que ali se haviam ajuntado." Atos 10:27

No decurso dessa reunião, o Espírito Santo de Deus foi derramado e foi concebido a Cornélio que fala-se em línguas e como eu já disse seria no mínimo redundante que fosse línguas estrangeiras. Eis então aqui a primeira manifestação de línguas estranhas (espirituais). 

 "E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra.
E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do Espírito Santo se derramasse também sobre os gentios.
Porque os ouviam falar línguas, e magnificar a Deus."

Atos 10:44-46

As chamadas línguas estranhas (espirituais), recebem o nome de Glossolalia. Até aqui ficou patente que há então duas manifestações distintas do dom de línguas, a saber: Xenolalia e Glossolalia.

Vejamos outro exemplo e uma explanação de Paulo acerca dos Dons, dirigida a Igreja de Corinto.

"E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas, e profetizavam." Atos 19:6

Nesta passagem Paulo encontrava-se em Éfeso e deparou-se com discípulos que já haviam sido batizados com o batismo do arrependimento de João, mas ainda não haviam recebido o batismo de fogo de Cristo, então ao lhes impor as mãos foram batizados com fogo, falaram e línguas e profetizaram. O ponto interessante é que estavam em Éfeso e todos eram nativos de lá, sendo assim não haveria necessidade do manifestar de línguas estrangeiras, que línguas então foram essas? Exato, línguas estranhas (espírituais) .

 Epístola de Paulo aos Coríntios.

 Os santos de Corinto estavam muito cheios de si, se ufanando das manifestações dos dons, em especial o de línguas, por esta razão Paulo achou por bem escrevê-los a fim de orientá-los.

"Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes." I Co 12:1

No capítulo 12 Paulo fala da diversidade dos dons, e esclarece que nem todos tem os mesmos dons, a diversidade de dons mas um só doador, que é o Espírito Santo.

"Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo." I Co 12:4

Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil. 
Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência;
E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar;
E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas.
 Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.

I Co 12:7-11

Aqui existem dois axiomas:

1º. Os dons foram distribuídos pelo Espírito e ainda o são, ou seja, não se extinguiram com a Canon Bíblico  como alegam alguns cristãos. 

"E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas;"
 
Marcos 16:17

Neste caso não fica claro que dom de línguas seguirá (se um , se outro, se ambos), mas uma coisa é certa, não existe indício nenhum que Jesus referiu-se a algo temporário.Jesus aqui instruía a cerca do prosélito (IDE) as nações.

Mais um motivo para entender que os dons do Espírito não cessaram com o Canon, encontra-se em Romanos 13.

"O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;" I Co 13:8

As profecias já foram aniquiladas? (Ou ainda resta a serem cumpridas? basta ler Apocalipse e ver que ainda há profecias a se cumprirem), A ciência desapareceu, ou tem se multiplicado? (Daniel 12:4)

Aqui Paulo afirma que as línguas cessariam, mas quando viesse o que é perfeito, e o que seria perfeito? O Canon Bíblico ou Jesus Cristo?

2º. Nem todos falam em línguas, pois é o Espírito que distribui os dons de acordo com sua vontade. Por essa razão a tese pentecostal de que só é batizado no Espírito Santo aquele que fala em línguas, cai por terra, pois nem todos falam línguas.

"Porventura são todos apóstolos? são todos profetas? são todos doutores? são todos operadores de milagres?
Têm todos o dom de curar? falam todos diversas línguas? interpretam todos?
"

I Co 12:29-30

Fato é que o falar em línguas é uma evidência externa do Batismo no Espírito Santo, não obstante o não falar de forma alguma é evidência do não Batismo no Espírito Santo. Não são inversamente proporcionais estás assertivas.

Outras evidências externas são, o dom de profecias e a intrepidez na pregação do Evangelho.

Há ainda os que fazem distinção entre o falar em línguas como dom e como sinal de batismo, mas não encontro na Bíblia evidências para afirmar que seja certa essa assertiva.

Nota: Em Atos 8, Simão o mágico, foi batizado após ouvir a pregação de Filipe e ver os sinais que realizava.Ficando atônito. (Atos 8:13)
Além de Simão, muitos foram batizados pelos mesmos motivos, o ponto é o seguinte, os que defendem a tese de que só é batizado no Espírito Santo quem fala em línguas, assevera que Simão quis comprar o dom do Espírito Santo com dinheiro, oferta essa que fez a Pedro, ao ver que muitos eram batizados com fogo após Pedro impor as mãos. 

 (Porque sobre nenhum deles tinha ainda descido; mas somente eram batizados em nome do Senhor Jesus).

  Atos 8:16

Então alegam os pentecostais que ele viu algo diferente, e esse algo seria o falar em línguas, logo, só batismo de fogo = falar em línguas.
Mas essa assertiva não se sustenta, Filipe também fez sinais e potencialmente pode ter falado em línguas, a diferença entre ele e Pedro está no seguinte: Filipe batizou com água e Pedro com Fogo (Espírito Santo), Simão percebeu que aquilo que Filipe tinha, era o mesmo que Pedro distribuía através da imposição de mãos. E isso contemplava não só o falar em línguas, mas também os outros sinais (como curar os enfermos, e profetizar). E era esse poder (em sua totalidade) que Simão buscava. Simples assim.

Nota II: 

 Baseando-nos no magistério (ensino) de Paulo, podemos constatar que as Igrejas Carismáticas (pentecostais) erram no exercício do dom de línguas.
É-nos ensinado que devemos falar em língua apenas se houver quem interprete, contudo, há muitos pregadores, pastores e irmãos que falam em línguas durante o tempo de instrução da Igreja, em suas pregações e demais ocasiões. O problema com isso, é que a Igreja não é edificada, tão somente quem faz uso do dom. Outro ponto, há pessoas que falam línguas realmente estranhas (não espirituais), no meio pentecostal é chamado de "fogo estranho".
No meio carismático existe uma fixação tão grande pelo dom de línguas que me remete sempre a lembrança da Igreja em Corinto.

"Porque o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios."  I Co 14:2 


"E eu quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis; porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação. "   I Co 14:5 

"E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete.
Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus. "

I Co 14:27-28


Nota III:

 Sou Pentecostal, mas como pode notar isso não é motivo pra que me empurrem toda sorte de doutrinas, goela abaixo.


Em suma:

Há duas manifestações distintas do dom de línguas;

O dom de línguas não cessou;

Não é evidência única do batismo no Espírito Santo; 

Deve-se falar desde que haja interprete do contrário deve falar consigo mesmo ; 



Elohim Mélech Néder


















O deus morto e o Deus desconhecido de Nietzsche





 Quando se fala de Nietzsche (1844 - 1900) , quando se pensa em Nietzche, logo se pensa em um homem contrário a fé, em um anticristo. 
Isso evidentemente devido a seus escritos, sua visão. Patente na obra "O anticristo", ou em "Assim falou Zaratustra", em sua sentença : "Deus está morto".
De fato em uma visão superficial é isso que transparece, mas será que era isso que Ele estava dizendo, será realmente essa a forma correta de interpretá-lo ?

Não me proponho a defendê-lo e nem lançar algo novo, haja vista que essa mesma interpretação que vou expor já foi antevista por homens do calibre de Leonardo Boff. Quero apenas registrar em meu blog e acrescentar um pouco do meu entendimento.

Nietzsche se via como um ateu convicto, mas se tomarmos tento, vamos perceber que Ele está mais pra gnóstico, isso por que, Ele não disse que Deus não existia, mas deixar claro que não consegue entender a Deus, não consegue rotulá-lo e tê-lo inserido, enlatado dentro de ritos litúrgicos ou dogmas religiosos, Ele sente que Deus é concreto, porém foge a sua compreensão.
É digno de nota que Nietzsche era um homem muito inteligente, mas ainda assim um homem.

"deus está morto", esse deus é o deus da igreja católica, a qual Nietzsche era ferrenho opositor. Defendia o conceito do Super-homem que rejeita a submissão e a  passividade encorajada pelo cristianismo. Que para ele era uma "moralidade escrava".
Esse é o ponto, ele era contra o cristianismo e não contra o Cristo, aliás entre os representantes do Super-homem está Jesus (além de Sócrates, Napoleão e Shakespeare).
Cristianismo para Nietzsche era sinônimo de casa de ópio, contudo não estou sendo partidário de suas asseverações, mas sejamos francos ele não estava de todo errado (basta ver hoje os mercadores da fé que encontramos na mídia "ungindo" meias, cobrando "trízimos", pregando um deus de barganhas).

Para o filósofo que era, viu com olhar racional toda a manipulação que repousava (e ainda repousa) nas classes sacerdotais que movem os fiéis na direção que convém aos homens sem que necessariamente seja a mesma direção almejada por Deus.

Inclusive o Super-homem desdenha não somente a autoridade eclesiástica, mas também toda autoridade constituída (que tende ao despotismo). 

Infelizmente em sua busca e suas resoluções morreu enlouquecido, sem visualizar o todo, mas somente parte. Conseguiu ver o deus morto das classes sacerdotais mas não viu o Deus Vivo imanente na Vida de Jesus o Cristo.

"Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?" - João 14 : 9


"Eu e o Pai somos um."- João 10 : 30

A presente oração é atribuída a Nietzsche, nela podemos ver a dúvida, a busca e os anseios do grande filósofo.


Oração ao Deus desconhecido

Antes de prosseguir em meu caminho e lançar o meu olhar para
frente uma vez mais, elevo, só, minhas mãos a Ti na direção de
quem eu fujo. 

A Ti, das profundezas de meu coração, tenho dedicado altares
festivos para que, em Cada momento, Tua voz me pudesse chamar. 

Sobre esses altares estão gravadas em fogo estas palavras: 

"Ao Deus desconhecido”. 

Seu, sou eu, embora até o presente tenha me associado aos
sacrílegos. 

Seu, sou eu, não obstante os laços que me puxam para o abismo. 

Mesmo querendo fugir, sinto-me forçado a servi-lo. 

Eu quero Te conhecer, desconhecido. 

Tu, que me penetras a alma e, qual turbilhão, invades a minha vida. 

Tu, o incompreensível, mas meu semelhante, quero Te conhecer,
quero servir só a Ti.


Friedrich Nietzsche

Tradução de Leonardo Boff.



"Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.
O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;
Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas;"

Atos 17:23-25





Trindade Cristã - Há de fato um Deus manifesto em três pessoas ?


Não, não há. O dogma da "santíssima trindade" que estabelece que há um só Deus composto por três pessoas "Pai, Filho e Espírito Santo" e os três são um, dogma supostamente revelado nas Sagradas Escrituras e oficializado pela Igreja Católica Apostólica Romana no Concílio de Nícéia (325 d.C) e herdado pela igreja protestante (surgida do rompimento de Lutero com a ICAR) tem na verdade origem pagã.

Vamos aos fatos:

 Ponto passivo: Toda a idolatria surgiu a partir de Nínrode, filho de Cuxe, filho de Noé.(Gn 10:8-10) Basta observar no livro de Gênesis que antes do dilúvio não havia incidência de idolatria (período compreendido da criação do mundo até sua completa destruição diluviana).A destruição se deu pela corrupção da espécie humana. (Gn 6:4-5)


Nínrode, responsável pela torre de Babel e co-fundador da Babilônia, foi o primeiro homem a ser idolatrado. O mesmo casou-se com Semiramis e tiveram um filho chamado Tamuz.Entre as muitas lendas Tamuz seria a reencarnação de Nínrode.

Como já relatado por mim em postagem anterior, a origem da páscoa cristã e o natal, além da quaresma católica,  tem origem nessas três figuras históricas.


Ninrode, Semiramis e Tamuz foram idolatrados por diversos povos, assumindo em cada uma dessas culturas nomes diferentes. No período das conquistas o povo conquistado acaba por absorver a cultura do povo dominante, por conseguinte o culto religioso era também abarcado. Daí o motivo da proliferação da idolatria a essa tríade humana.


Vejamos algumas das trindades pagãs:

“O universo era dividido em três regiões, cada qual se tornando domínio de um deus. À parte de Anu era o céu. A terra foi dada a Enlil, e Ea tornou-se governante das águas. Juntos constituíam a tríade dos grandes deuses”. 

Enciclopédia Larousse de Mitologia 



Hórus, Osiris e Isis, II milênio antes da era Cristã. Era a tríade Egpísia.


 


Istar, Sin, Xamaxe, II milênio antes da era Cristã. Era a tríade Babilônica do período.




Hades, Zeus e Posseidom, a trindade grega, também anteriores a era cristã (por volta do 8º. século a.C).


"Para René Menard, a figura de Hades representa, junto ao irmão Posseidon, um mero desdobramento da personalidade de Zeus. Tem a fundamentar tal premissa os escritos de Proclo, segundo o qual eram eles uma tríade  demiúrgica, formando um deus único e triplo ao mesmo tempo; sendo o autor pós-cristianismo, contudo, a ideia da trindade poderia ser posta em suspeição — mas ela encontra respaldo em relatos antigos feitos por Pausânias e por Ésquilo, filho de Eufórion."

Wikipédia 


No livro “O Simbolismo de Deuses e Rituais Hindus” publicado por A. Parthasarathy, Bombaim, relata a existência de uma tríade composta pelos deuses Xiva (deus da destruição), Brama (deus da criação), e Vixenu (deus da preservação), para fazer prova que estes três deuses são "um", os três são combinados em uma única figura.



Creio que até aqui haja provas exaustivas da origem pagã do dogma trinitarista.

A questão agora é: Em que momento esse paganismo fez morada no cristianismo?
  
Vamos dividir o tempo da seguinte forma: Antes da conversão de Constantino e depois da conversão de Constantino.

Antes de Constantino o credo apostólico era o que prevalecia, os ensinamentos deixados por Cristo, onde era exposto de forma clara, objetiva e constante a existência de um único Deus, de fato único e não composto.


Conforme O Shemá Yisrael 

 "Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR." Dt 6:4 


Confirmado por Jesus o Cristo.

"E Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único Senhor." Mc 12:29


Jesus nunca disse ser Deus, muito pelo contrário.

 "E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste."  Jo 17:3


Essa também foi a pregação dos apóstolos.

Nas palavras do Apóstolo Paulo...


"Todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por ele." I Co 8:6


Por mais que doa a quem lê, é preciso entender que: Só O Pai é Deus, Jesus é o Senhor, mas não constitui Deus e o Espírito Santo é o Espírito de Deus (poder de Deus manifesto) e não Deus Espírito.

 "Um só SENHOR, uma só fé, um só batismo;
Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós." Ef 4:5-6

 


Em postagem anterior já discorri sobre o Espírito Santo, e em complemento a presente postagem estarei preparando uma postagem onde discorrerei sobre Jesus, seu senhoril, sua origem, sua missão e, por conseguinte sua submissão ao único Deus.

Àqueles que temem ser necessário crer na suposta trindade, ou na divindade de Cristo para ser salvos, sugiro a leitura da seguinte postagem, onde é abordada de forma exaustiva a existência humana de Cristo e sua importância salvífica.



Pois bem, esse era o discurso da igreja antes da conversão de  Constantino.


A igreja depois da conversão de  Constantino:

Isso remonta a origem da igreja Católica, atribui-se um porque espiritual, mas a bem da verdade tudo foi alavancado por um interesse político. 

 Em síntese:

Constantino era um imperador que prestava culto as divindades romanas, em especial ao deus Sol Invictus. Os Cristãos ao seu tempo eram em grande número, apesar de terem sido exterminados aos montes pelos imperadores que o precederam. Mas ao contrário do que se esperava, eles não diminuíram ou se extinguiram, mas quanto mais perseguidos, mais convictos de sua fé em Cristo se tornavam.
Constantino estava prestes a se tornar o imperador supremo, mas ele tinha uma pedra de tropeço, o imperador Maxêncio. Então uma bela noite ele teve um "sonho" onde alega ter visto no céu uma cruz feita com as iniciais do nome de Cristo em grego, e a inscrição "Por este sinal vencerás". Então mandou que seus soldados pintassem em seus escudos o tal símbolo e foram a batalha, vencendo o rival na batalha da ponte Mílvia. Então supostamente Constantino converteu-se ao cristianismo, pois fim a perseguição aos cristãos (Édito de Milão - 313 d.C) e oficializou  a religião cristã, nos seus moldes e não tal qual o cristianismo se apresentava até então.
Posso afirmar sem medo de errar que Satanás repetiu com sucesso a mesma investida que fez contra Eva no paraíso, Ele (Satanás), misturou verdade com mentira. (No caso de Eva, de fato o homem tornou-se como Deus, sabendo o bem e o mal, mas como alertou Deus, o homem tornou-se mortal), já no caso dos cristãos, a priori tentou exterminá-los sem êxito, então a posteriori contaminou o corpo de Cristo. (Se não pode com eles, junte-se a eles), introduzindo o paganismo.

E isso que afirmo tem embasamento histórico, não é teoria da conspiração.

"Constantino favoreceu de modo igual ambas as religiões. Como sumo pontífice ele velou pela adoração pagã e protegeu seus direitos." 

Enciclopédia Católica 


"Constantino nunca se tornou cristão"

  Enciclopédia Hídria


“Se o paganismo foi conquistado pelo cristianismo, é igualmente verdade que o cristianismo foi corrompido pelo paganismo. O puro deísmo dos primeiros cristãos... foi mudado, pela igreja de Roma, para o incompreensível dogma da trindade. Muitos dos dogmas pagãos, inventados pelos egípcios e idealizados por Platão, foram retidos como sendo dignos de crença. O dicionário do Conhecimento Religioso menciona que muitos dizem que a trindade “ é a corrupção emprestada de religiões pagãs e enxertada na fé cristã”

History of Christianity (história do Cristianismo), de Edward Gibbon 


Por isso basta estudar a origem do catolicismo e traçar um paralelo com o paganismo, para vermos dentro desta religião, traços do culto a Diana (rainha do céu) "Jr 7:18-20", mitraísmo, culto ao Sol Invictus,o repouso no domingo (Édito de Constantino) além do trinitarismo supra-citado.E não obstante dentro das religiões cristãs que adotaram parte dos dogmas estabelecidos pelos concílios anteriores ao protestantismo.
 Essa é a origem do dogma trinitarista, estarei preparando uma nova postagem em continuação a esta, onde refutarei os versículos bíblicos empregados para justificar esse dogma pagão

Deus tenha misericórdia de Nós.

"Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem " (I Tm 2:5)










Concupiscência da Carne, Concupiscência dos Olhos e Soberba da Vida



"Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta.
Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência.
Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte."

Tiago 1:13-14

A melhor maneira de combatermos um inimigo é conhecendo o que enfrentamos. Pois bem, militamos contra o pecado, e pelo que nos revela Tiago, o pecado origina-se de NOSSA própria concupiscência.

E afinal o que é a concupiscência?

Podemos seguramente defini-la como os desejos de nossa alma e de nossa carne. Segundo o dicionário Michaelis "Grande desejo de bens ou gozos materiais. 2. Apetite sexual."

Partindo dessa premissa podemos dividir essa concupiscência em três grupos:

"Concupiscência da Carne, dos Olhos e Soberba da Vida”, segundo o que nos revela o magistério do Apóstolo João.

Leia com atenção: 

"Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo."

I Jo 2:16

A concupiscência da carne.

Abarca o imediatismo. A satisfação pessoal e momentânea. O comer, o beber, o sexo fútil, toda e qualquer carnalidade.
Muitas pessoas trocam, abrem mão de coisas boas, de promessas de Deus, pelo prazer momentâneo. Um grande exemplo desse tipo de mal se encontra na história de Esaú (Edom). Ele vendeu sua primogenitura a seu irmão Jacó em troca de um simples guisado vermelho. Ao fazer isso abdicou de todas as prerrogativas inerentes ao primogênito. Como por exemplo, maior quinhão na herança, no caso dos reis o direito ao trono, etc.

"E disse Esaú a Jacó: Deixa-me, peço-te, comer desse guisado vermelho, porque estou cansado. Por isso se chamou Edom.
Então disse Jacó: Vende-me hoje a tua primogenitura.
E disse Esaú: Eis que estou a ponto de morrer; para que me servirá a primogenitura?
Então disse Jacó: Jura-me hoje. E jurou-lhe e vendeu a sua primogenitura a Jacó."
E Jacó deu pão a Esaú e o guisado de lentilhas; e ele comeu, e bebeu, e levantou-se, e saiu. Assim desprezou Esaú a sua primogenitura."

Gênesis 25:30-34

Sabemos que mais tarde Esaú veio a se arrepender, mas já era tarde demais. Isso é um bom exemplo para Nós de que decisões erradas (concernente as coisas espirituais) podem ser um caminho sem volta.

"E ninguém seja devasso, ou profano, como Esaú, que por uma refeição vendeu o seu direito de primogenitura.
 Porque bem sabeis que, querendo ele ainda depois herdar a bênção, foi rejeitado, porque não achou lugar de arrependimento, ainda que com lágrimas o buscou. "

Hebreus 12 : 16-17

No caso de Esaú por uma refeição desprezou as benção de Deus, outros fazem o mesmo não por um guisado, mas por um sexo banal, por 10 gramas de cocaína ou por muito menos.

A concupiscência dos olhos

Abarca a cobiça, as conquistas materiais, a ambição não do ser, mas do ter. Por essa concupiscência muitas pessoas abandonam a Deus, seus caminhos para tornarem-se adictos do trabalho (escravos), sem tempo para a família, para aproveitar o dom da vida e principalmente para dedicar tempo e disposição para as coisas de Deus.

Um bom exemplo disso é Judas Iscariótes. Apesar de ter andado com Cristo, aprendido com Cristo, visto as obras de Cristo, foi capaz de vender sua lealdade por 30 moedas. Segundo Claudio Calan do Museu Histórico Nacional, em equivalência  no dia de hoje as 30 moedas são o que corresponde a R$30.000,00 ou R$ 40.000, 00. Judas por certo vislumbrou o que poderia adquirir com esta soma, Satanás o tentou com a ambição, ambição já demonstrada anteriormente pelo relato do Apóstolo João que refere-se a ele (Judas) como ladrão.(João 12:6)

 Soberba da Vida

Abarca a ambição não do Ter, mas do Ser. É a busca pelo reconhecimento. Soberba, arrogância, prepotência são alguns dos frutos dessa vaidade. Em geral esse mal aflige aqueles que já conquistaram fortuna, mas isso não é o bastante, almejam também fama e poder.
Particularmente acho esse mal o mais letal, porque é comumente encontrado nas igrejas assim como no mundo.
Quantos não são os homens de Deus que vendem seus ministérios por um conchavo político, que toleram o pecado dentro da igreja para manter o templo cheio, e com isso obter prestígio (Ap 2:20).Sem contar que esse tipo de concupiscência traz também em seu bojo condutas imorais, corrupção e toda sorte de mazelas.É por esse tipo de canal que se estabelece teologias materialistas, como a da prosperidade e da confissão positiva (que são quase sinônimas).

Um bom exemplo de alguém que vendeu seu ministério é Balaão, Profeta de Deus, mas que pelas promessas de reconhecimento, de poder ensinou a Balaque a lançar tropeços diante do povo de Deus.

"Mas algumas poucas coisas tenho contra ti, porque tens lá os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, para que comessem dos sacrifícios da idolatria, e se prostituíssem."

Apocalipse 2 : 14

"Os quais, deixando o caminho direito, erraram seguindo o caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça;"

II Pedro 2 : 15


Corrupção Humana

O gênero humano nasce pecador e necessita da redenção realizada por Cristo em seu sangue, porque no principio da criação o pai da mentira, o senhor das moscas, Satanás seduziu a Eva justamente com a Concupiscência da carne, dos olhos e com a soberba da vida.

Vejamos:

 Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. 
Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal. 
E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer (CARNE), e agradável aos olhos (OLHOS), e árvore desejável para dar entendimento (SOBERBA); tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela.

Gênesis 3:4-6

De mesma sorte Satanás tentou o mesmo artifício com Jesus, ao tentá-lo no deserto.

"Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.
E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome;
E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães. (CARNE)
Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.
Então o diabo o transportou à cidade santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo,
E disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, E tomar-te-ão nas mãos, Para que nunca tropeces em alguma pedra. (SOBERBA)
Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus.
Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles.
E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. (OLHOS)
Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás.
Então o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos, e o serviam."

Mateus 4:1-11

Jesus resistiu a Satanás e não restou nada a Ele se não partir e deixar Jesus em paz. (Tg 4:7) Da mesma forma deve ser em nossa vida. Devemos resistir às ofertas de sedução de Satanás, para que não pequemos.
Devemos vigiar com constância, tendo em mente que quem está em pé também pode cair.

"Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia."

I Co 10:12



Shalom Aleichem!