Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Isaías 9:6

Conclamação

Todos os textos aqui postados são de minha autoria, salvo aqueles em que estiverem as devidas referências bibliográficas e links.
Devemos ser originais em nossas colocações, mas não imaginários e sim embasados tão somente nas sagradas escrituras e respaldados pela lingüística, ciência, história e legislação humana.




Direitos do Blog

O blog Jesus Cristo Príncipe da Paz tem seus direitos respaldados nos incisos IV, VI e IX do artigo 5º da Constituição Federal, abaixo transcritos:



IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”

VI – “É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos, salvo o dos que contrariem a ordem pública ou os bons costumes.”

IX – “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.



Respalda-se também Lei nº. 9610, de 19/02/1998, que rege o seguinte:

Art. 46: Não constitui ofensa aos direitos autorais:– a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e obra.





São João - Festa do fogo. (Culto ao deus sol)




Como já expus em várias de minhas postagens, o paganismo está arraigado no cristianismo de longa data, quase desde o principio. 
Na medida que o tempo passa, as práticas pagãs ficam cristalizadas e ninguém (ou quase ninguém) se preocupa em saber se realmente as crenças estão corretas,se possuem respaldo bíblico. 

As festas cristãs (todas elas) tem seus fundamentos nesse paganismo e não nos ensinos bíblicos. Já apontei a origem pagã da comemoração do Natal e da Pascoa, agora é hora de falarmos sobre as festas junsinas e em especial a Festa de São João. 


Segundo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão, em seu “Anuário de Astronomia”, edição de 1983, a festa de São João era conhecida como festa do fogo e era comemorada em devoção ao deus sol. 

“Assim, a descoberta dos solstícios deu origem às  festas coletivas nas quais o Sol era honrado com o fogo, a luz suprema, que o homem oferecia às divindades pagãs.

Em suas explicações é citado  além da festa de São João a festa de Natal, ambas de adoração ao deus sol.

“Surgiram, desse modo, duas festas dedicadas ao fogo: a festa do verão, que tem lugar no solstício de verão, em 2 1/22 de julho, e a outra de inverno, em 21/22 de dezembro."

* Vale lembrar que a festa de Natal é comemorada no dia 22  de dezembro, pela crença que o deus Sol Invictos *Tamuz" teria nascido neste dia. 

"Em virtude da inclemência do clima, em dezembro, nos países do hemisfério Norte, a festa de São João passou a ser a mais praticada. Por uma transposição essencialmente cultural, os povos do hemisfério Sul passaram a comemorar a festa do Sol, em junho, durante o dia de São João. Esta manifestação atual, dedicada a um santo da Igreja Católica, atravessou milênios sem sofrer grandes alterações, pois o culto do fogo permaneceu profundamente associado ao coração dos humanos”

Em conclusão:

“ deslocamento do leste para oeste, segundo a marcha aparente do Sol, representado pela bola, era um dos modos de cultuar o astro do dia e a sua luz que preparava as riquezas da primavera. A esses jogos da primavera seguia-se a preparação de outro jogo de origem religiosa e solar, nos solstícios. Era a festa do fogo, do deus do Sol, que se pratica até hoje no dia de São João.”

O curioso da crença cristã é justamente o fato de que as festas instituídas por Deus são consideradas como "sombras' (em sentido pejorativo), como algo que não se deve praticar, no entanto as festas pagãs são celebradas ano a ano,não só por Católicos,mas também por toda sorte de cristãos,e desde os protestantes ao mais ferrenho evangélico.

Nas palavras de Yeshua: "Errais por não conhecerem as Escrituras..."


by  Vanderlei L. Borkoski